Celulite

Celulite … O grande agente de ligação de gordura

As mulheres têm uma vida difícil em termos de pressão relacionada à beleza. O padrão de beleza varia de cultura para cultura. Mas, não obstante, há um padrão e a pressão para se parecer de certa forma, dentro do contexto em que aquela cultura está.

Eu lembro de estar na Índia e ter descoberto que ter um rolo de gordura ao redor da cintura era atrativo. Derramando-se para fora do seu ‘sari’ era o objetivo! Me traga o sorvete e me deixe ser culturalmente sensível. Ser bronzeada não é universalmente atrativo. Na maior parte da Ásia mulheres se protegem do sol o máximo que elas podem. É perigoso no verão, por isso todas as mulheres estão andando por aí com guarda-chuva e a borda de seu ‘protetor de sol’ blindado está no nível do meu olho. Meu Deus! Elas estão bloqueando o sol do meu bronzeado precioso. Essas mulheres são é espertas. Eu já errei muito ao tentar adivinhar a idade das mulheres asiáticas, às vezes próximas aos 20 anos. Então elas devem saber uma coisa ou duas sobre exposição extra ao sol.

Eu sou grata pelos muitos países em que estive e pelas experiências culturais que eu já tive. É sempre divertido e educativo. Uma experiência super educativa foi quando vivia em Budapeste, Hungria. Banhos termais são super comuns na Hungria. Turistas de todo lugar vão até lá para experimentar uma riqueza mineral de fontes subterrâneas. Algumas das casas de banhos remontam o Império Otomano e são extremamente bonitas.

Sempre que alguém vinha nos visitar nós os levávamos para o Hotel Gellert para terem uma experiência cultural na antiga casa de banhos. Homens e mulheres ficavam separados. Nós íamos até o vestiário feminino, tomávamos um banho rápido e então íamos até a ala restrita para mulheres. Nessa sessão havia uma piscina quente grande, uma piscina pequena muito quente e uma pequena piscina gelada além da sauna a vapor. O custo dessa experiência era um par de dólares baratos. As únicas pessoas usando roupas eram as pessoas que trabalhavam com massagem. Eu não vou mentir. Eu fiquei chocada a primeira vez que eu fui. Mulheres estavam andando peladas por todo lugar e nenhuma parecia estar embaraçada ou envergonhada. Eu me sentei na piscina quente e não sabia o que fazer com meus olhos. Você olha nos olhos das pessoas ou, se não, onde? Eu descobri que os olhos eram uma aposta segura. Eu comecei a ficar confortável com essa experiência e comecei a interagir com as pessoas de uma forma normal. Bem, o mais normal que se consegue ficar quando se está nua!

Acredite ou não, foi bastante libertador. Toda idade imaginável estava representada lá. Mulheres mais velhas que haviam perdido a batalha contra a gravidade, crianças e aquelas que estavam em seu auge nas esferas da vida. Você não conseguiria mais dizer quem era rica ou pobre. Eu gostei disso. E todas elas tinham celulite! Eu disse, todas elas.

A mais alta e a mais baixa (bom, as crianças não), mas isso era refrescante. Corpos intocáveis. Sem air brush , sem Photoshop, ao natural. A máquina da mídia não estava na casa de banhos. As mentiras do marketing não estavam lá. Apenas haviam mulheres nuas.

Jennifer Roberts

Jennifer Roberts é membro-fundadora da International House of Prayer (IHOP-KC) desde os anos noventa, onde serviu por quase 15 anos depois de ter sido missionária pela Jocum desde a sua juventude. A partir de sua peculiar história de vida, tornou-se uma apaixonante comunicadora da mensagem do amor de Deus, das verdades que transformam vidas e do valor da mulher.

Mais dessa autora

Deixe uma resposta